Hoje, domingo, 22 de outubro de 2017

POEMAS > FOME



Fome

Bastou tua mão na minha e me vi perdida.
A força da paixão alucinante a nos paralisar.
Entre a flor e o espinho, minha alma deitou-se.
E adormeceu no sonho de livre te fazer: Crescer...Iluminar!

Amaste-me com apreço e devoção,
Enquanto a razão me escorria pelas pernas no gozo forte e decidido.
Se já não somos dois, como seguirei sem minha alma?
E então para não morrermos nos sonhos,
Pintei o céu em aquarela para ti,
E enchi tua boca de morangos silvestres. 


Ana D´Araujo


Arte: SANTIAGO CARBONELL

Voltar


Ana D´Araújo

Psicoterapia | Ana D´Araújo 2011
www.anadaraujo.com.br